terça-feira, 27 de agosto de 2013

Navego num barco azul

Navego

Navego num barco azul
Por cima de montanhas azuis
Por dentro dos sonhos,
De todos os sonhos
Que guardo na minha cabeça!
Desde a infância,
Numa aldeia completa,
Onde Raros seres
Viviam para lá das suas próprias vidas,
Sonhavam com o regresso do amor.
Longe,
Seus filhos, pensavam em suas casas
Sonhavam por dentro dos sonhos de seus pais.
Uma aldeia, onde lareiras acesas
Mantinham as almas quentes,
Ansiavam o dia de regresso,
Onde o amor abraça o próprio amor!
Por cima da lareira,
Coisas inertes, maduras,
Alimentavam os corpos!
Na mesa, ao canto,
Uma carta.
Os pais sonhavam o amor.
Os filhos sonham por dentro do amor
Os sonhos de seus pais.


JoXavi