sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Mãos que falam

Minhas mãos já não podem
Segurar esta corda
Que prende a cabeçada!
Minhas mãos são memórias.

Falam de tantas histórias!
Vidas vividas, sonhadas,
Horizontes tão distantes,
Que minhas mãos errantes,
Quiseram um dia alcançar.

Ai, como se cansaram! …
Cresceram hortas e árvores,
Arrancaram ervas daninhas.
Com elas fui ceifeira,
No estio de maduras searas.

Embalaram choros e risos,
De incertos futuros, imprecisos.
Estão cansadas, estas mãos,
Que apertam a vara da vida!

Onde me sento à tardinha,
Na pedra junto á porta,
Estão sobre meus joelhos.
Volto-as, abro-as, olho.
Meu Deus! Como estão cheias!
Tão cheias de memórias antigas!
Nada mais cabe nestas mãos.
Esboço um som de sorrisos
E uma lágrima, apenas uma…
Teimou sair de meus olhos.
Embalo-as agora, em meu regaço.

JoXavi

4 comentários:

  1. Magnífico poema.Traduz, na perfeição, os trabalhos de uma vida.Parabéns!

    ResponderEliminar
  2. Olá Boa noite!
    Que belas mãos...tão cheias de histórias de vida... Belo poema!
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. magnifico poema adorei ,é tudo isso e muito mais que os nossos velhinhos passaram...

    ResponderEliminar